Coleta Nacional da Solidariedade: entenda como funciona o investimento dos valores arrecadados

Noticias da Igreja

Próximo domingo, dia 25, será celebrado o domingo de Ramos, dando inicio à Semana Santa. Também neste dia a Igreja no Brasil realiza a Coleta Nacional da Solidariedade, ou seja, todo o valor financeiro arrecadado com as coletas das celebrações deste dia será destinado a projetos relacionados ao tema da Campanha da Fraternidade, que este ano trata sobre a superação da violência, através dos Fundos Nacional e Diocesanos de Solidariedade.

Os investimentos são feitos da seguinte forma: 60% do valor permanecem na diocese de origem, sendo apoio a projetos sociais da comunidade diocesana. Já os 40% restantes são investidos em projetos que visam o fortalecimento da solidariedade em diversas partes do Brasil, fazendo assim com que as regiões que tenham mais recursos contribuam para o desenvolvimento da população menos favorecida.

Essa iniciativa, que está ligada à superação de ações assistencialistas junto a comunidades pobres, nasceu após a reflexão e constatação dos problemas enfrentados pelos grupos comunitários para adquirir financiamentos para seus empreendimentos locais, baseados em suas necessidades, práticas e culturas.

Na diocese de Crato, o Fundo Diocesano é gestado pela Cáritas, junto aos membros do Conselho Econômico Diocesano que conta também com a presença do bispo. Após a prestação de contas, feita por todas as paróquias, a equipe responsável se reúne para fazer a seleção dos projetos e, em seguida, os repasses dos recursos financeiros que é feito através da cúria. Lembrando que são priorizados os projetos de caráter inovador, potencial multiplicador, de articulação e mobilização de bases.

O projeto deve estar em comunhão com o tema da CF, sendo apresentados os objetivos, justificativa e orçamento de, no máximo, três mil reais. Junto a isso, deve ser anexada uma carta com a assinatura do pároco onde está localizada a paróquia, grupo, associação, pastoral ou outros movimentos sem fins lucrativos que elaborarem o projeto.

“Cada paróquia, comunidade, grupo e associação, sinta-se motivada a participar dessa coleta em seu bairro, em sua comunidade e convidar os outros fiéis explicando a importância dessa coleta, que depois tem um retorno para a comunidade e para a associação que elabora os projetos”, convida Solange Santana, agente Cáritas.

Em 2017, treze projetos foram contemplados pelo Fundo Diocesano de Solidariedade aqui na diocese de Crato. Segue a lista dos beneficiados:

1- Comunidade Baixio dos Palmeiras;

2- Grupo Capoeira Arte e Tradição;

3- Mãos Ensanguentadas de Jesus;

4- Grupo Urucongo;

5- Mãos que Acolhem;

6- Pastoral da AIDS;

7- Pastoral da Juventude;

8- Grito dos Excluídos;

9- Pastoral da Pessoa Idosa;

10- Pastoral da Criança;

11- Associação dos Catadores de Lixo;

12- Encontro das Juventudes;

13- Horta Remissiva de Pena da Penitenciária.

Mais informações sobre os Fundos Nacional e Diocesanos de Solidariedade, acesse: http://caritas.org.br/fundo-nacional-de-solidariedade/o-que-e

 

Por: Jornalista Patrícia Silva (MTE 3815/CE)

 

Fonte: Diocese de Crato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *